Marie Curie

Dear friends, 

We would like to ask you a no-conventional request this evening.

Today is the birthday of a very special woman, who we really admire, and as recognition of her hard work, we would like to get her a job opportunity.

She is an incredible professional, highly qualified and very focused, but, as every woman, she has faced some challenges to get a rewarding job. 

She was denied admission to some universities, both as a student and a teacher but as she says, life is not easy for any of us. But what of that? We must have perseverance and above all confidence in ourselves. We must believe that we are gifted for something and that this thing must be attained. As you can see she is also optimistic.

Even though her efforts, sometimes her legacy is diminished by her late husband’s fame and notoriety and, as most of us, must work twice harder to get recognition.

Can you please share the profile bellow? She is interested in scientific research; mainly physics, chemistry, and mathematics, but she also has experience as a tutor, governess, laboratory technician, teacher, and radiologist…

Regards,

Women Inside Trade Team

 

Maria Sklodowska (aka Marie Curie)

Education: four Honorary Doctorates, one Doctorate degree, two Master degrees (Physics and Mathematics).

Major Accomplishments: responsible for coining the term radioactivity and theorizing the concept, in addition to discovering two elements polonium and radium and finding techniques for isolating radioactive isotopes.

Awards and Tributes: Nobel Prize in Physics (1903), Davy Medal (1903), Matteucci Medal (1904), Actonian Prize (1907), Elliott Cresson Medal (1909), Nobel Prize in Chemistry (1911), and Franklin Medal of the American Philosophical Society (1921).

Adam Smith e o Empoderamento Feminino

 

Quando escreveu Riqueza das Nações, Adam Smith lançou a teoria do crescimento econômico, que, resumidamente, diz que a riqueza ou o bem-estar das nações é derivado: do excedente de valor produzido sobre o custo da produção; e pela relação entre o número de trabalhadores empregados sobre a população total.

Em sua obra, Adam Smith fala pouco sobre as mulheres de sua sociedade e quando o faz, dá a entender que quando mulheres tem maior riqueza ou instrução, isso atrapalha o crescimento da sociedade – devido ao menor número de partos –, as corrompe e diminui suas habilidades de cuidar das famílias.

Constando o óbvio com perplexidade

A avaliação falha do economista tem um porquê histórico que nos vemos desafiadas a corrigir até hoje, pois ainda há sociedades inteiras que não se convenceram dos benefícios da participação ativa das mulheres na sociedade:

· Em 2013, a taxa de homens empregados no mundo era de 72,2% contra apenas 47,1% das mulheres;

· O salário das mulheres ainda é de 60 a 75% do salário dos homens;

· A paridade educacional entre os gêneros ainda é um desafio na maior parte dos países em desenvolvimento (80%);

· Análises mostram que meninas somam 53% das crianças fora da escola, ou seja, 1 em cada 10. Quando as meninas deixam o sistema educacional, a probabilidade é de que 47% nunca retornem à escola (comparado a 32% dos meninos) e

· A probabilidade de uma mulher se engajar em atividades informais e não remuneradas é maior do que a de um homem. Na América Latina, esse percentual chega a 54%;

· Mulheres têm cargas desproporcionais de trabalho doméstico e não remunerado. Mulheres gastam 2 a 10 vezes mais tempo cuidando de atividades domésticas e filhos que homens e investem menos tempo em lazer;

· Um estudo realizado em 143 países demonstrou que 90% deles ainda têm leis que restringem as oportunidades econômicas das mulheres.

Ganhos potenciais

· Calcula-se que seriam gerados USD17 trilhões globalmente se a participação das mulheres no mercado de trabalho e sua remuneração fosse equivalente à dos homens;

· Quanto menor a diferença entre o percentual de homens empregados em relação ao percentual de mulheres empregadas numa sociedade, o crescimento econômico é impulsionado;

· Nos últimos 50 anos, cerca de 50% do crescimento econômico dos países-membros da OCDE deveu-se ao maior nível de instrução da população; principalmente pelo fato de meninas e mulheres terem tido acesso à educação e atingido maior igualdade em relação ao número de anos na escola;

· Um estudo feito entre 1970 e 2009 mostrou que para cada ano adicional na escola, de mulheres em idade reprodutiva, a mortalidade infantil cai quase 10%;

· Dados econômico-sociais de alguns países, indicam que o aumento a participação feminina na renda doméstica – seja através de remuneração própria ou transferência de renda – modifica os hábitos de consumo de forma a beneficiar a família, principalmente as crianças;

· Estudos mostram que países cujos parlamentos tem mais mulheres, são mais abertos à aprovação de tratados ambientais.

Iniciativas

A convenção da ONU de 1979 eliminou todas as formas de discriminação contra as mulheres. Em 2010, na assembleia geral foi criada a ONU Mulheres, uma entidade da ONU para a igualdade de gênero e empoderamento das mulheres, que estabeleceu padrões para de suas metas em conjunto com governos e sociedade civil para desenvolver legislações, políticas públicas, programas e serviços para assegurar sua implementação:

· Liderança e participação política das mulheres;

· Empoderamento econômico;

· Fim da violência contra mulheres e meninas;

· Paz e segurança e emergências humanitárias;

· Governança e planejamento;

· Normas globais e regionais.

Se tomarmos as Metas do Milênio e as Metas de Desenvolvimento Sustentável há metas claramente voltadas para a igualdade de gênero, mas em todas a participação feminina é fundamental.

Além dos grandes organismos internacionais, percebemos, no dia-a-dia, o crescimento desse tipo de iniciativa. Não há como citar alguns sem deixar de fora outros tantos não menos importantes, mas vale ressaltar um ponto em comum entre todos: não se trata de um movimento da moda, mas sim de uma tendência que pode ter demorado para conseguir voz, mas que com certeza não perderá o timbre.

Perdoe-me Adam Smith, mas empoderamento é fundamental!

Se eu pudesse me dirigir a Adam Smith nesse momento eu teria a ousadia de tentar corrigi-lo. Não sei se teria sucesso nessa empreitada, mas o importante é que isso não tem mais importância. Estamos num caminho sem volta, chegamos ao estágio da consciência completa, em que ainda podemos não ter todas as ferramentas e insumos, mas já sabemos o que queremos como produto final.