Exclusive Interview: Arancha González for Women Inside Trade

It is with great pleasure that the team Women Inside Trade shares an exclusive interview with Arancha González, the Executive Director of the International Trade Centre, for our blog.

Arancha González and the plattaform #SheTrades are among the most relevant inspiration to create this space and this group of fabulous women that work in the international trade field in Brazil and abroad. 

We hope the readers enjoy and feel the energy of this brilliant woman while reading her interview. Dear Arancha, no words to expresss our gratitude for your support! #wearemany

1) Dear Arancha, you are a true inspiration for many women here in Brazil. Can you share with us a little bit of your professional history?

I have devoted my professional live to trade and development in different capacities. First as a lawyer in private practice, advising companies on trade, investment and state aid matters. Then in the European Commission, conducting negotiations of trade agreements and assisting developing countries in trade-development efforts. Between 2002 and 2004, I was the European Commission spokeswoman for trade and adviser to the EU Trade Commissioner. I learned how important it is to communicate to the wider public how trade works and how to make it work better. Then came an unexpected turn in my professional life when the Director General of the WTO, Pascal Lamy asked me to serve as his Chief of Staff in Geneva. It was a real honour to become the first woman to hold this position since the organisation was born in 1948. It was an exciting period with active negotiations in the WTO and the launch of the Aid for Trade initiative, but also a period of turbulence with the 2008 financial crisis, which I saw first-hand as G20 Sherpa.  For the last four years, I have been serving as the Executive Director of the International Trade Centre (ITC), the joint trade and development agency of the United Nations and the World Trade Organization. In ITC we are proud to support SMEs to participate in international trade, translating opportunities that are generated through trade agreements into real trade on the ground. In 2015, I spearheaded the “SheTrades” initiative seeking to connect one million women entrepreneurs to markets by 2020. It is about making trade more inclusive but also about ensuring trade contributes to the economic empowerment of women. This is also why last December, during the WTO Ministerial Conference in Argentina, ITC together with a group of Geneva Gender Champions spearheaded the Buenos Aires Declaration on Women and Trade. Over the next two years, we will be looking at best practices across the WTO membership to help connect more women entrepreneurs to trade opportunities.

2) Why is it important to talk about gender and trade? Why does it matter to everyone?

The answer is simple – when women trade, we all benefit. Economically empowering women is proven to translate into important socio-economic benefits for everyone – children, husbands, families, communities, companies and economies. Women who have control over how money is spent invest far more of their income than men do on their families’ health and education. Companies with greater gender diversity in senior positions usually deliver higher profits and stock market valuations. Countries that provide greater economic opportunities for women generally score higher in rankings of competitiveness and national income. Emerging firm-level evidence indicate that the exporter premium – the pay premium at exporting firms over non-exporters – is higher for women-owned businesses than for those owned by men. Moreover, it is estimated that if women participated in the economy on an equal footing with men, it would add about $28 trillion to global GDP by 2025 – more than a 25% increase over current trends. As someone once said, it is the economy, stupid!

3) How did SheTrades start and how it has impacted the life of women around the world?

In spite of these important benefits, nearly a billion women around the globe are either prevented from becoming full economic actors, or lack the skills or capital to do so. ITC’s own research shows that only one in five of exporting firms is owned by women. Other studies tell us that women-owned SMEs in emerging markets have unmet financing needs of between US$260 billion and US$320 billion a year. In fact, women in developing countries are 20 percent less likely than men to even have a bank account. Moreover, women entrepreneurs often lack support networks and access to information about export opportunities.

Since its creation in 1964, ITC has been working to help connect SMEs to markets. But given the specific challenges facing women in trade, in 2015, we launched the SheTrades initiative specifically targeted at supporting women-owned businesses. It provides a framework of collaboration for partners to scale up and accelerate the rate at which women entrepreneurs are able to fully participate in the global economy and use trade as a lever for economic resilience and transformation. SheTrades is about consolidating partnerships with public and private sector actors working to empower women and it is about helping to bridge the gap that exists between the offer from and demand for women-owned companies.

On a more granular level, SheTrades is about Phyllis and her online flower shop in Kenya, who, with the support of SheTrades, created Tandao Commerce, an e-commerce platform that is now revolutionizing how people shop and SMEs sell in Africa. SheTrades is about Charitha from Sri Lanka, who was able to create a sustainable luxury eco-tourism resort and close business deals with international travel agencies. It is about Fisun in Turkey, who developed radio frequency identification (RFID) technology to combat losses and improve the efficiency of her laundry business by being able to monitor 100s of thousands of individual items at the same time. SheTrades is also about Chiedza, founder of an Afro-Urban fashion line, who through SheTrades, has conquered European markets from her factory in Ghana. She has successfully grown her company from mirco to mass production and works with 99% local women artisan suppliers. Today, she even introduces us to her networks, financial institutions, and local support organizations to help us better support more women. It is a sign of impact when a beneficiary becomes a partner. And She Trades is also about the 6000 women in business that Apex Brazil in partnership with ITC is helping bring to markets.

4) We know that ITC/SheTrades has already a connection with ApexBrasil. What do you think is necessary for SheTrades to expand its activities in Brazil? What kind of engagement?

Brazil is the birthplace of SheTrades: we first unveiled the initiative at the Women Vendors Forum in Sao Paolo in September 2015. As a commitment to the SheTrades initiative, Apex-Brasil launched SheTrades in 2016. They have been and will be continuing to help Brazilian women entrepreneurs to understand and comply with export procedures as well as to prepare the women entrepreneurs to participate in international trade promotion events – including ITC’s upcoming SheTrades Global Business Conference in Liverpool during 26-28 June 2018.

ITC will continue to provide online tools and services to Brazilian women-owned businesses including through shetrades.com, webinars and business generation events. Looking ahead, expanded activities will include improving the knowledge of Brazilian women entrepreneurs on impact investment, delivering tailored capacity building for around 6.000 women-owned companies over the next 2 years; and providing support to access foreign markets and procurement networks.

5) Would you like to leave a message for the women inside trade in Brazil?

Yes, a call to action. There is no silver bullet to achieve women’s economic equality. In fact research shows that on current trend, gender equality will not happen for another 200 years. Whether you are a supplier, the manager of a company committed to a gender-inclusive supply chain, or simply an entrepreneur looking to make a contribution, join She Trades, commit, mobilise and act.

 

Women Inside Trade: gênero na pauta do comércio internacional no Brasil

Igualdade de gênero é um direito humano, e a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu a igualdade de gênero como o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável nº 5, conclamando todos os países membros a comprometerem-se com este objetivo até 2030. De acordo com a ONU, a desigualdade de gênero persiste em todo o mundo, privando mulheres e meninas de seus direitos e oportunidades básicas.

No comércio internacional, a discussão sobre a igualdade de gênero foi um dos temas de maior destaque da área no ano de 2017. Além de ter sido um dos temas centrais do Fórum Público da Organização Mundial do Comércio (OMC) do último ano em Genebra, a assinatura de uma Declaração Conjunta sobre gênero por mais de 120 países na 11ª Conferência Ministerial da OMC em Buenos Aires em dezembro passado é um claro sinal sobre a dimensão que a discussão tem tomado em âmbito internacional.

Em termos gerais, existe um entendimento comum de que o comércio internacional tem sido benéfico para as mulheres ao longo dos anos, especialmente no que diz respeito a criação de empregos. Um relatório divulgado em 2015 pelo McKinsey Global Institute revelou que, em promovendo a igualdade das mulheres, uma média de US$ 12 trilhões poderiam ser adicionados ao PIB global até 2025. Além disso, o relatório é categórico em afirmar que “se as mulheres – que representam a metade da população em idade produtiva em todo o mundo – não alcançam seu potencial econômico total, a economia global sofrerá”.

Através do comércio internacional, oportunidades econômicas são criadas para as mulheres (e, claro, também para os homens), e mais empregos contribuem para estimular o desenvolvimento econômico dos países. Porém, de acordo com um relatório conjunto da OMC/Banco Mundial de 2015 intitulado “The Role of Trade in Ending Poverty”, a participação das mulheres no comércio internacional é dificultada por inúmeros desafios relacionados a viés de gênero e condições de trabalho desfavoráveis para as mulheres. Com efeito, o relatório enfatiza que leis e regulamentos tendenciosos em muitos países impedem que as mulheres entrem na força de trabalho ou criem uma empresa.

Neste cenário de desafios relacionados a gênero, importantes inciativas têm liderado as discussões – cada vez mais sofisticadas – ao redor do mundo. Uma delas, voltada para o combate a disparidades de gênero no ambiente económico e comercial, é a plataforma SheTrades lançada pelo International Trade Centre, que objetiva conectar um milhão de mulheres empresárias até 2020. O SheTrades proporciona uma plataforma para conectar mercados e permitir que as mulheres empresárias compartilhem informações sobre seus negócios, internacionalizem suas empresas e expandam suas redes de business partners.

Importa destacar também, no âmbito de negociações internacionais entre Estados, que recentemente Chile e Canadá deram exemplo adicionando um capítulo sobre comércio e gênero a fim de modernizar o Acordo de Livre Comércio entre os países, bem como incluir uma perspectiva de gênero na promoção de um crescimento econômico inclusivo. Infelizmente, esse é um dos únicos exemplos de que se tem notícia, e as discussões de gênero em negociações de acordos internacionais ainda são uma novidade com pouca receptividade.

No Brasil, em que pese a presença de mulheres brilhantes em cadeiras de comando do alto escalão de país, além de inúmeras profissionais dos setores público e privado que lideram negociações internacionais com maestria no Brasil e no exterior, claramente não há consciência sobre a importância de se falar no tema, e mulheres ainda compartilham de muitas experiências frustrantes no campo profissional a que são expostas simplesmente por serem mulheres.

É nesse contexto que surgiu a inspiração para a criação do Women Inside Trade. Inspirado em iniciativas internacionais a exemplo do próprio SheTrades, o Women Inside Trade nasceu em julho de 2017 em Brasília com a intenção de dar publicidade aos trabalhos de alto nível realizados por mulheres que atuam no comércio internacional, trazer constantes atualizações sobre temas relevantes e atuais, criar uma rede de apoio, além de chamar a atenção para o gap de gênero que ainda existe no Brasil (e no mundo) quando o assunto é comércio internacional.

A partir de conversas e reflexões recorrentes sobre o pouco espaço para as mulheres num ambiente extremamente masculino como o de comércio internacional, o grupo de profissionais que coordena esta iniciativa resolveu bancar a ideia de dar mais visibilidade ao trabalho realizado por mulheres no Brasil e no exterior.

Dentre as muitas surpresas que o blog e a iniciativa como um todo tem nos proporcionado, vale destacar a incrível receptividade e a ampla rede de apoio feminino que se formou rapidamente com a criação do blog e das mídias sociais, possivelmente reflexo da carência de espaços como este para discutir questões de gênero de forma séria no Brasil. Para se ter uma ideia, em que pese a maior parte das participantes estarem baseadas em Brasília ou São Paulo, hoje o Women Inside Trade conta com participantes brasileiras em diversas cidades do mundo como Genebra, Pequim, Bruxelas, Maastricht, Lima, Abu Dhabi, Washington DC, entre outras.

Como consequência da receptividade com que muitas profissionais aderiram a ideia do Women Inside Trade nos seus primeiros seis meses de vida, e com a riqueza de ideias e apoio que temos recebido ao longo do tempo, 2018 promete ser um ano de voos mais altos. Estão na programação eventos profissionais, muitas publicações, happy hours, reuniões de trabalho, tudo com a intenção de conectar profissionais, criar espaços de discussão, e colocar questões de gênero e comércio internacional na pauta do Brasil.

Para nós está claro que políticas econômicas, incluindo a política comercial, são instrumentos poderosos para traduzir as aspirações de igualdade de gênero na realidade, e ações nesse sentido devem ser coordenadas e convergentes. Ainda não sabemos que tipo de impacto podemos concretamente causar na discussão sobre estes temas no Brasil, mas enquanto nos sentirmos chamadas a agir, o Women Inside Trade permanecerá disponível e aberto a dar voz às mulheres do comércio internacional brasileiro.

*Originalmente publicado no Portal Comex do Brasil.

* Renata Amaral é idealizadora e Co-fundadora ado Women Inside Trade. Doutora em Direito do Comércio Internacional e Diretora ade Comércio Internacional na Barral M Jorge Consultores Associados.

The interplay between gender and trade: few thoughts post WTO’s Public Forum 2017

While Christine Lagarde, the Director of the International Monetary Fund (IMF), emphasized that “gender is a conduit of substantive improvements in many many ways”, at the Plenary Session that opened the WTO’s Public Forum this year, Arancha Gonzalez, the Executive Director of the International Trade Centre (ITC), reinforced the message throughout the Forum that “trade is good for gender and gender is good for trade”.

The discussion on gender equality in trade was among the highlights of this year’s Forum and many panels focused on this subject. It was a consensus in all panels that dealt with the subject that women play a key role in economic development, and the more involved women are, the more economies grow.

Overall, there is a common understanding that international trade has been beneficial to women over the years, especially in terms of job creation. A report released in 2015 by the McKinsey Global Institute found that US$12 trillion could be added to global GDP by 2025 by advancing women’s equality. Moreover, according to the report, “if women – who account for half the world’s working-age population – do not achieve their full economic potential, the global economy will suffer”.

Through international trade economic opportunities are created to women, and more jobs contribute to spur countries economic development. In fact, it is interesting to note that many of the jobs created through trade are concentrated in export-oriented industries. According to a WTO/World Bank Report from 2015 entitled “The Role of Trade in Ending Poverty”, exporting companies in developing countries employ more women than non-exporters.

Notwithstanding, according to the same WTO/World Bank joint report, women participation in international trade is hindered by numerous challenges related to gender biases and unfavorable working conditions for women. In other words, the report stresses that gender-biased laws and regulations in many countries prevent women from entering the work force or setting up a business.

Among many others, a relevant international initiative oriented to tackle gender disparities in the economic and trade environment is the SheTrades initiative, launched by the ITC, which seeks to connect on million women entrepreneurs to market by 2020.  SheTrades initiative provides a network and platform to connect markets and enable women entrepreneurs to share information about their business, internationalize their companies and expand networks.

It is important to remind us all that gender equality is a human right, so relevant that the United Nations has established gender equality as the Sustainable Development Goal #5 and most countries are committed to it. According to the United Nations, gender inequality persists worldwide, depriving women and girls of their basic rights and opportunities.

Regarding international trade, although progresses are being noticed around the world, such as the recent addition of a chapter on trade and gender to modernize the Canada-Chile Free Trade Agreement, the discussion on whether international trade can improve the conditions for women participation to help the world achieving the UN’s Sustainable Development Goal #5 has to remain as a top priority.

Following the worldwide movement on women’s economic empowerment, gender equality and trade, it is also worth mentioning the work of a group of WTO members on the development of a declaration to be proposed in the margins of the next WTO Ministerial Conference this December in Buenos Aires. According to the information that has been released by the International Centre for Trade and Sustainable Development (ICTSD), the declaration aims at providing a framework and a platform for members to foster a more inclusive trade agenda.

In fact, the development of this declaration is aligned with the public effort of the WTO for the past months in emphasizing the importance of gender equality in trade and the nomination of a gender focal point at the Organization in Geneva. The interest of the WTO in featuring gender and including gender perspectives on its agenda was made very clear during this year’s Public Forum.

Much more could be said on the interplay between gender and trade, but the intention of this piece is simply to shed light and help publicize the efforts of international organizations in calibrating the playing field in gender terms. Economic policies, including trade policy, are powerful instruments to translate gender equality aspirations into reality, and initiatives must be coordinated and convergent. Achieving gender equality requires more vigorous efforts and the moment is now.

First ever amendment to Trade Policy Review Mechanism approved by the General Council of the WTO

 

On July 26 WTO Members agreed by consensus on the amendment of the Trade Policy Review Mechanism.  According to the information from the WTO website, the amendment was accomplished after a series of intensive consultations and meetings following of the Sixth Appraisal of the TPRM on 20 June 2016.

The decision is the first ever amendment to the TPRM, which was established in 1989 under the General Agreement on Tariffs and Trade (GATT) and made permanent under the WTO, as part of the 1994 Uruguay Round agreements. The TPRM includes regular Trade Policy Reviews for WTO members and a monitoring of developments in the international trading environment.

The amendment includes modification of the TPR cycles and the review of the timeline for the question-and-answer process of the TPRs. The TPR cycles will be changed to frequencies of three, five or seven years (instead of two, four or six years), depending on the size of the economy, with the largest economies reviewed most frequently. The timeline review will allow members under review who opt to provide early written answers to other members’ questions will have one more week to prepare the answers. Furthermore, to enhance the transparency of trade policies, there was agreement to establish a regular practice for members to provide brief reports on significant changes in their policies during trade monitoring meetings.

Following approval by the General Council, the amendment has been officially incorporated into the WTO Agreement, pursuant to paragraph 8 of Article X of the Marrakesh Agreement.

Brazil went through its seventh TPR review last week, on 17 and 19 July, as informed by us in this post. All WTO members are subject to review, with the frequency of review depending on the country’s size. Trade Policy Reviews are an exercise, mandated in the WTO agreements, in which member countries’ trade and related policies are examined and evaluated.

The next reviews of 2017 are the following:

13 & 15 September Jamaica

20 & 22 September Paraguay

4 & 6 October Iceland

25 & 27 October WAEMU (Benin, Burkina Faso, Côte d’Ivoire, Guinea-Bissau, Mali, Niger, Senegal and Togo)

14 & 16 November Bolivia, Plurinational State of

21 & 23 November Cambodia

Read more on: https://www.wto.org/english/news_e/news17_e/tpr_26jul17_e.htm

 

 

This week: Brazil´s Trade Policy Review and election at the Codex Alimentarius Commission

*Por Renata Amaral

Trade Policy Review 2017

The seventh review of the trade policies and practices of Brazil takes place today and Wednesday at the World Trade Organization.

The reviews take place in the Trade Policy Review Body which is actually the WTO General Council — comprising the WTO’s full membership — operating under special rules and procedures. The reviews are therefore essentially peer-group assessments, although much of the factual leg-work is done by the WTO Secretariat.

As mentioned in the Executive Summary of the Secretariat, since its previous Trade Policy Review in 2013, “Brazil’s largely domestic demand-driven economy slowed down and entered a severe recession in 2015-16, triggered by deteriorating terms of trade and exacerbated by a bout of political uncertainty. Annual GDP growth dropped from 3% in 2013 to 0.9% in 2014 and then turned negative in 2015 and 2016 with consumption and gross fixed capital formation following a similar trend. The recession, one of the most severe in Brazil’s history, has been accompanied by a steep rise in inflation (8.7% in 2016) and unemployment (11.3% in 2016) as well as fiscal discipline challenges”.

Among the issues highlighted by the other 163 WTO Members are the complexity of the Brazilian tax system, the lack of transparency in fiscal incentive programs, the recurrent use of trade defense instruments to curb imports, the delay in releasing patents and the delay in liberalizing the market.

It was also noted by the Executive Summary that Brazil remains committed to, and an active participant in, the multilateral trading system. From 2013 until 2016, Brazil improved its WTO commitments by ratifying the Trade Facilitation Agreement (TFA) and depositing its instrument of acceptance of the Fifth Protocol on Financial Services. During the same review period, Brazil was directly involved in seven WTO disputes, five as a complainant and two as a respondent.

While Brazil continues to work on strengthening regional economic integration through RTAs negotiated within the framework of the Southern Common Market (MERCOSUR) and the Latin American Integration Association (LAIA), it has also placed emphasis on RTAs negotiated with trading partners outside the region.

 

Codex Alimentarius:
Tomorrow in Geneva Brazil will try to win the chair of the Codex Alimentarius Commission, which sets standards to protect consumer health and ensure fair practices in trade.

The candidate is Guilherme Costa, from from the Ministry of Agriculture of Brazil, and he disputes with a representative of Mali. It is the first time that Brazil tries to occupy this position, considered strategic by the Ministry of Agriculture.

 

Facilitación del comercio en la OMC y las incoherencias de Trump en el comercio multilateral

*Por Renata Amaral e Matheus Andrade

 

El Acuerdo de Facilitación del Comercio (AFC) de la Organización Mundial del Comercio (OMC), firmado en la IX Conferencia Ministerial celebrada en Bali (2013), es el primer acuerdo multilateral concluido en el ámbito de la OMC desde su creación. El AFC comprende un conjunto de acciones y compromisos que, además de proporcionar un aumento de la transparencia y la reducción de la burocracia en las operaciones, incrementará la competitividad de los productos transados multilateralmente.

 

Vigente desde el 22 de febrero, el AFC se basa en la promoción de la celeridad de las operaciones de comercio exterior y refleja una profundización del principio de no discriminación entre los miembros, principio orientador del sistema multilateral de comercio desde el Acuerdo General sobre Tarifas y Comercio (GATT, por su sigla en inglés). Dentro del alcance del Acuerdo se incluyen acciones que pretenden un incremento en la agilidad de los procesos de importación y exportación de los miembros de la Organización. Estas acciones incluyen una mayor transparencia de las regulaciones comerciales de los países, como la publicación y administración de reglas claras para la clasificación y determinación de la valoración en aduana, la libertad de tránsito para bienes que circulan de un país a otro, así como dentro de un mismo país, y la divulgación de informaciones sobre todas las tarifas arancelarias, impuestos y tasas aplicadas sobre las importaciones y exportaciones.

 

Además, el AFC también trata de cuestiones procesales (procesamiento electrónico de informaciones aduaneras) y proporciona una especie de resumen de mejores prácticas de comercio internacional con miras a proporcionar una mayor transparencia para los operadores de comercio.

 

Esta mayor transparencia y agilidad en las operaciones de comercio exterior a través de AFC impactan directamente en la competitividad de las exportaciones de las economías que forman parte de la OMC. De acuerdo con las proyecciones iniciales de la Organización, el flujo global de bienes y servicios puede aumentar hasta US$ 1 billón por año con la entrada en vigor del AFC, además de generar una reducción de costos, promedio, del 14,3% en el comercio global.

 

Estados Unidos: miembro activo en la aprobación del AFC y entusiasta en la OMC

 

Un breve análisis de la participación de los Estados Unidos en la aprobación de lo que se conoce como el Paquete de Bali – que incluye el AFC – debe tener en cuenta el contexto de las negociaciones en el marco de la OMC de ese momento.

 

En 2013, la Organización convivía con el fracaso de las negociaciones de la Agenda de Desarrollo propuesta por la Ronda de Doha, interrumpidas por un gran impasse con relación a los temas de agricultura. La inexistencia de acuerdos multilaterales firmados desde el surgimiento de la Organización en 1995, junto con la conclusión de Conferencias Ministeriales sin ningún resultado concreto, podrían amenazar todavía más el espacio negociador de la OMC. Así, era necesario salir de la Conferencia Ministerial en Bali con un resultado concreto: los miembros de la Organización decidieron concentrar sus esfuerzos en la negociación de un paquete de medidas que generara mayor consenso.

 

En ese contexto, desde el comienzo de los preparativos de la Conferencia, un acuerdo sobre la facilitación del comercio fue elegido como la pieza central del paquete de medidas, tanto por no incluir temas sensibles para los miembros, como por la percepción general positiva del poder de este acuerdo de generar ganancias reales para todas las economías.

 

Sin embargo, durante las negociaciones en Bali las dificultades reaparecieron una vez que India pasó a exigir que los programas de subsidios agrícolas no fueran cuestionados durante la ratificación del Paquete de Bali, dando inicio a un enfrentamiento directo con los Estados Unidos, gran entusiasta del AFC. Después de extensas negociaciones, los Estados Unidos y la India lograron llegar a un acuerdo que convenció a ambas partes, lo que permitió la firma del AFC en diciembre de 2013[1].

 

Estados Unidos fue el tercer miembro de la OMC en ratificar el Acuerdo, el 23 de enero de 2015. Desde entonces se han convertido en grandes promotores de las ventajas que el AFC puede generar para la economía mundial – sobre todo para los países en desarrollo y menos adelantados – a través de donaciones para capacitación[2] y la participación de grupos como la Global Alliance, organización que reúne empresas y gobiernos y busca aprovechar su experiencia en el tema para promover la facilitación del comercio[3]. En esa misma línea, los Estados Unidos de Barack Obama también implementaron la Ley de Facilitación del Comercio, Aplicación y Cumplimiento (Trade Facilitation and Trade Enforcement Act, 2015)[4].

 

Cabe señalar que el apoyo al Acuerdo recibido de Estados Unidos puede explicarse principalmente por las ganancias económicas experimentadas por este país a lo largo de los años y por la experiencia de la mayor economía del mundo en este asunto. Un estudio de 2015 elaborado por la OMC, muestra que las ganancias estimadas con el acuerdo son de US$ 1 billón anuales, además de la reducción promedio del 14,3% en los costos relativos al comercio internacional[5], como se mencionó anteriormente. El mismo estudio muestra que, a menudo, estos costos son superiores a los gastos incurridos con los aranceles de importación. Por ejemplo, el estudio muestra que costos como distancia, cuotas arancelarias, fletes, diferencias culturales y otros costos relativos al comercio equivalen al 70% de los aranceles de importación en una relación comercial entre Estados Unidos y Alemania, lo que puede ser sensiblemente disminuido con las medidas del AFC.

 

Asimismo, cabe resaltar que además de las ganancias económicas estimadas, Estados Unidos no debe enfrentar grandes dificultades para implementar el Acuerdo. Tomando en consideración tres indicadores diferentes, el país se encuentra bien calificado en relación a los criterios vinculados a la facilitación del comercio. De acuerdo con el indicador del Informe Mundial de Capacidad Comercial (en inglés, Global Enabling Trade Report) del Foro Económico Mundial[6], que evalúa más de 90 temas sobre la economía de los países, Estados Unidos se encuentra en la posición 22 entre aquellos con la mayor capacidad de facilitar los flujos de comercio, con especial énfasis en la eficiencia y la transparencia aduanera[7]. La base de datos sobre Comercio Transfronterizo del Banco Mundial[8] muestra indicadores positivos para Estados Unidos – por ejemplo, sólo dos horas para que una empresa sea autorizada a exportar su producto por las autoridades aduaneras, además de un costo relativamente bajo para el cumplimiento de la reglamentación necesaria para exportar.

 

Además, los Indicadores de Facilitación del Comercio de la Organización para la Cooperación y el Desarrollo Económico (OCDE)[9] (ver Gráfico 1), que califican la facilitación del comercio de los países entre 0 y 2, conceden a Estados Unidos una nota de 1,7, una de las más altas del mundo.

Conjuntamente a los aspectos relacionados con la facilitación del comercio, Estados Unidos es usuario frecuente del Órgano de Solución de Diferencias (OSD) de la OMC. Inclusive, desde la creación de la Organización, Estados Unidos fue el país que más utilizó este sistema. Actualmente, de las 524 disputas iniciadas ante el OSD, Estados Unidos participó en 114 casos como parte reclamante, 130 casos como demandado y 140 casos como terceros, lo que muestra la confianza del país en la seguridad jurídica del sistema en las dos últimas décadas.

 

Trump, la OMC y la Facilitación del Comercio

 

En diversos momentos de su campaña electoral, el presidente Donald Trump amenazó con una posible salida de los Estados Unidos de la OMC. En su propuesta titulada Agenda de Política Comercial 2017[10] (en inglés, Trade Policy Agenda 2017), Trump dejó claro que tanto la OMC como las decisiones de las disputas en este ámbito pueden ser repensadas y eventualmente desconsideradas si, a juicio de la actual administración, los intereses estadounidenses no fuesen observados.

 

Es cierto que Trump proclamará siempre un discurso más proteccionista y amenazador sobre el orden internacional global. Sin embargo, en lo que se refiere a la OMC, una posible salida de Estados Unidos de esta Organización priorizando acuerdos de comercio bilaterales generará impactos no sólo para el sistema multilateral pero sobre todo, para ellos mismos.

 

Una eventual salida del país impediría, por ejemplo, la utilización del OSD para resolver diferencias comerciales. Esto llevaría a que Estados Unidos debería discutir caso por caso las disputas comerciales que puedan surgir en el futuro, además de no poder exigir que los otros países cumplan la legislación común del comercio internacional en las operaciones de comercio exterior con Estados Unidos. La ausencia de esas reglas podrían someter al país en innúmeras “guerras comerciales”, que podrían perjudicar sobremanera la economía estadounidense y sobrecargar la diplomacia de aquel país buscando soluciones únicas para cada problema y disputa comercial que pueda surgir.

 

El efecto nocivo para la economía estadounidense, mayor importadora del planeta y el país con mayor número de empresas transnacionales hoy en día, es incalculable. Sin duda, una eventual salida de este país de la OMC debe traer muchas más desventajas que ventajas para la economía y el efecto sería devastador para el país.

 

En lo que se refiere a desventajas, un pequeño ejemplo de la posible implosión en el mercado doméstico estadounidense es el efecto de las sanciones que el presidente Trump afirma que colocará en práctica contra China y México. En ese sentido, es importante recordar que China es la mayor acreedora de títulos de deuda pública de Estados Unidos y que gran parte de las plantas industriales de empresas estadounidenses se encuentran instaladas en México. Pérdida de eficiencia, aumento de costos y desempleo serían algunos de los efectos inmediatos en un futuro, no tan distante, para Estados Unidos.

 

Las administraciones que precedieron a la de Donald Trump fueron grandes portavoces del libre comercio, papel que Estados Unidos ha desempeñado desde el final de la II Guerra Mundial, como la economía más grande del planeta. No es casual la participación activa del país en la negociación y firma del AFC en la Conferencia Ministerial de Bali.

 

De esta forma, pregonar por la deconstrucción del modelo de globalización liderado por Estados Unidos a lo largo de las últimas décadas, además de significar el quebrantamiento de un importante patrón de la política exterior del país para temas de comercio internacional, seguramente traerá perjuicios aún inmensurables para el mundo entero pero, sobre todo, para los propios estadounidenses.

 

* Renata Amaral es doctora en Derecho Internacional por la Universidad de Maastricht y por la UFSC y Directora de Comercio Internacional de Barral M. Jorge Consultores Asociados, en Brasil.

** Matheus Andrade es MBA Ejecutivo en Economía y Gestión del Agronegocio (FGV) y consultor en Comercio Internacional de Barral M. Jorge Consultores Asociados, en Brasil.

*Publicado originalmente em: http://www.ictsd.org/bridges-news/puentes/news/facilitaci%C3%B3n-del-comercio-en-la-omc-y-las-incoherencias-de-trump-en-el

 


[1] Los dos países acordaron una solución provisoria durante la Conferencia Ministerial de Bali. Un acuerdo definitivo sobre el tema se alcanzó en noviembre de 2014.

[2] Disponible en: <http://bit.ly/2qZSwmf>.

[3] Disponible en: <http://bit.ly/2q8TdZ3>.

[4] Disponible en: <http://bit.ly/2pEHPBD>.

[5] Disponible en: <http://bit.ly/2r5ZVwx>.

[6] Disponible en:<http://bit.ly/2gMcaKU>.

[7] Disponible en: <http://bit.ly/2q8AQ6E>.

[8] Disponible en: <http://bit.ly/1LvOdDm>.

[9] Disponible en: <http://bit.ly/2pq5LwI>.

[10] Disponible en: <https://ustr.gov>.

Super Trump e o comércio internacional: como fica o Brasil?

*Por Renata Amaral 

 

Discutir sobre Trump e as perspectivas para o mundo durante a sua gestão que, até o momento, tem sido bombástica, tornou-se um dos principais afazeres de economistas, cientistas políticos, acadêmicos e jornalistas ao redor do mundo.

Historicamente, sempre houve uma íntima ligação entre uma economia ser uma super potência econômica e ser, ao mesmo tempo, a principal porta voz para o livre comércio. Esse tem sido o papel dos Estados Unidos notadamente após 1945, com o final da Segunda Guerra Mundial. Ocorre que, desde que Trump assumiu a presidência da principal economia do mundo ele tem recrudescido o seu discurso protecionista: “America First”.

Como fica o mundo e como fica o Brasil?

Para aqueles que estão acompanhando atentamente os movimentos do novo chefe de Estado americano nos mais diversos temas sobre os quais ele já se pronunciou, uma coisa é certa: Trump é imprevisível. E isso pode contar a seu favor. Com efeito, ao adotar essa postura ameaçadora e o efeito surpresa das suas decisões, Trump faz uso de uma técnica de negociação que pode, em grande medida, resultar em sucessos imediatos na implementação das políticas que o elegeram presidente. Mas, há quem diga (e eu concordo) que o presidente não se sustentará por muito tempo no cargo se não calibrar o seu discurso e suas ações nos próximos meses.

No que diz respeito ao comércio internacional, a postura protecionista é a principal chamada da política econômica pregada por Donald Trump, que já ficou conhecida como “Trumponomics”. De forma resumida, a política econômica do presidente  americano está baseada em três grandes pilares: sanções comerciais para parceiros desleais; expansão fiscal para financiar obras de infraestrutura e; desoneração tributária. Boa parte dos analistas concordam que a política econômica proposta (que resgata, em grande medida, a política econômica de Reagan na década de 80) pode gerar benefícios aparentes e imediatos para a economia americana, mas que é insustentável no médio/longo prazos.

O que se tem certeza também sobre comércio internacional é que Trump tentará isolar a China e o México. No entanto, essa estratégia poderá ter um efeito reverso enorme para a economia americana. Não custa lembrar que os EUA são o país com mais empresas transnacionais do mundo, que a China é a maior credora de títulos da dívida pública dos EUA, e que boa parte das plantas industriais das empresas americanas estão localizadas no México.

Para o Brasil, se o Brasil souber aproveitar e as empresas estiverem prontas para isso, preveem-se benefícios como oportunidade para o incremento das exportações de commodities minerais (em razão da política de expansão fiscal para obras de infraestrutura), bem como intensificação da relação do Brasil com o México e demais países com os quais o EUA poderá passar a comercializar menos (lembro da saída dos EUA da TPP, na possível denúncia ao NAFTA e na não continuidade da parceiria com a União Europeia, o TTIP).

Ademais, para o Brasil, prevê-se a continuidade das iniciativas em facilitação de comércio e redução de barreiras não-tarifárias, e das dezenas de diálogos comerciais que o Brasil mantém com os EUA em diversos setores da economia. Vale lembrar, ainda, que o Brasil mantém uma balança comercial deficitária com os EUA, motivo pelo qual o país não está no foco direto das iniciativas protecionistas de Trump.

Os empresários brasileiros devem estar atentos às oportunidades que podem aparecer para o comércio bilateral em função do enfraquecimento dos grandes acordos de comércio dos quais os EUA faz parte ou estava negociando.

Nesse sentido, por não ser o Brasil um dos focos de Trump no que diz respeito ao comércio internacional, se o novo presidente lograr em dar seguimento às suas políticas protecionistas em relação a outras economias que ele entende como ameaças ao seu mercado doméstico, podem resultar daí oportunidades para o empresariado brasileiro. Positivamente para o Brasil, some-se ainda o fato de a pauta de exportações brasileiras para os EUA ser composta de produtos de alto valor agregado (produtos industrializados) onde há espaço para exportar mais.

Então, pensando-se apenas na relação bilateral de comércio Brasil-EUA, e nas oportunidades que podem advir do recuo dos EUA como grande protagonista de megaacordos comerciais, há que se explorar o comércio bilateral, mapear novas oportunidades de acesso a mercados e fazer um esforço conjunto para ocupar o espaço que está se abrindo. Resta saber se o Brasil (governo e setor privado) está pronto para competir e se reposicionar no jogo do comércio internacional.

(*) Diretora de Comércio Internacional da Barral MJorge. É Doutora em Direito do Comércio Internacional por Maastricht University (PhD, Holanda) e pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Fellow do Institute for Globalization and International Regulation (Maastricht University) desde 2010 e Visiting Scholar da Fundação Getúlio Vargas (FGV) desde 2013. É autora de um livro e vários artigos acadêmicos na área de comércio internacional publicados no Brasil e no exterior.

 

*Originalmente publicado em: http://www.comexdobrasil.com/super-trump-e-o-comercio-internacional-como-fica-o-brasil/

Cadeias Globais de Valor e OMC: win-win game

*Por Renata Amaral

 

Desde a criação da Organização Mundial do Comércio (OMC), em 1994, dentre outros fenômenos, a evolução sistemática das cadeias globais de valor (CGVs) tem chamado a atenção dos especialistas tanto pela escala que vem ganhando nos últimos anos quanto pela progressiva complexidade dos eventos que as cadeias contemplam.

Sinteticamente, as CGVs dizem respeito a gama completa de atividades das empresas, desde a concepção de um produto até o seu uso pelo consumidor final. Incluem, assim, atividades de design, produção, marketing, distribuição e suporte ao consumidor final². Nesse sentido, segue abaixo mapa simples criado pela Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OECD, sigla em inglês):

Cadeias globaisA evolução das CGVs, que reflete a fragmentação internacional da produção, propõe ponderações quanto às políticas econômicas e comerciais adotadas pelos países, uma vez que afetam diretamente o desempenho econômico e o ganho/perda de benefícios derivados da participação ou não nas CGVs.

Mais que isso, o adensamento das CGVs influi na agenda política comercial dos governos, uma vez que inclui uma variedade de temas – como políticas ambientais, subsídios, serviços, propriedade intelectual, etc. -, que vão além das questões de acesso a mercado, tracionais nos acordos comerciais.

Com efeito, o comércio internacional das empresas transnacionais ao redor do globo envolve operações cada vez mais orientadas pelo crescimento e evolução das CGVs. Ademais, quando as cadeias de valor são, de fato, globais, há necessariamente maior interlocução entre seus atores internacionais, e, portanto, as políticas comerciais dos países se tornam progressivamente interdependentes.

Ainda que a interdependência entre as políticas comerciais dos países não seja algo novo, a escala e o grau de intensidade em que as trocas e os processos produtivos estão se desenvolvimento em resposta à participação nas grandes CGVs tem sido tema de intensos debates, notadamente no Brasil, por razões que serão brevemente observadas mais adiante.

No que diz respeito à OMC, o movimento das CGVs envolvendo grande parte de seus Membros parece ser de imenso interesse para resolução de entraves enfrentados pela própria Organização. Certamente, como aponta Bernard Hoekman em seu recente livro³, as CGVs complementam os processos da OMC por ter capacidade de, entre outros:

  • Mobilizar um maior apoio para a conclusão das regras de acesso a mercados e para as demais negociações da Rodada de Doha;
  • Utilizar a OMC como fórum de deliberação;
  • Promover a aprendizagem entre os Membros com iniciativas regionais;
  • Cooperar em novos temas políticos que não estão sobre a mesa na OMC atualmente; e
  • Informar sobre mecanismos mais novos e mais eficazes para lidar com questões de desenvolvimento, com base no precedente estabelecido pelo Acordo de Bali sobre Facilitação do Comércio.

De fato, a observância do adensamento de determinadas CGVs e das práticas comerciais e de produção por elas adotadas podem ajudar a identificar os pontos de fricção e de convergência de políticas comerciais globais, bem como os temas que merecem ser contemplados pela OMC nas discussões sobre política comercial.

A título de exemplo sobre a relevância de observar os movimentos das CGVs, tema como comércio de serviços, de absoluta importância para as CGVs, é discutido paralelamente aos temas prioritários para a OMC.  Com efeito, a criação de um Acordo sobre Comércio de Serviços4 – envolvendo atualmente 50 países na tentativa de assinar um acordo plurilateral -, não é discutido no âmbito da Agenda de Doha (Doha Development Agenda).

Para finalizar, vale a reflexão sobre a (não) participação do Brasil nos movimentos mais interessantes de comércio internacional, cada vez mais sofisticado. O Brasil está, claramente, à margem do processo de compartilhamento global de produção. Gargalos em infraestrutura, sistema tributário complexo, pouco incremento a processos de inovação e a falta de prioridade à construção de uma política comercial e à elaboração de uma agenda de investimentos manterão o país isolado da riqueza das CGVs e das demais negociações de comércio internacional.

Manter-se na periferia do que acontece no mundo e recrudescer o protecionismo comercial parece já dar sinais de ser uma “política externa” duvidosa, de acordo com os reflexos observados na balança comercial de 2014 e na crescente desindustrialização das empresas brasileiras.

 

 

*Originalmente publicado em: http://www.comexdobrasil.com/cadeias-globais-de-valor-e-omc-win-win-game/

 

Fim do contencioso do algodão: lições de uma disputa na OMC

*Por Renata Amaral e Welber Barral

 

Chegou ao fi m, em 1 de outubro de 2014, a complicada disputa com os Estados Unidos da América (EUA), selando com mérito as negociações para encerramento do contencioso mais longo da história do Brasil na Organização Mundial do Comércio (OMC), o DS 267.
Este artigo objetiva esclarecer os parâmetros do acordo firmado com os EUA e as vantagens do mesmo para os produtores brasileiros de algodão, que selaram, com sucesso, vitória no contencioso.

HISTÓRICO DO CASO
Há décadas os exportadores brasileiros de algodão sofrem com os pesados subsídios fornecidos à produção agrícola norte-americana. Com efeito, o algodão produzido nos EUA há muitos anos é protegido e sua produção estimulada por inúmeros programas, que sempre causaram prejuízos aos concorrentes internacionais.
A fi m de confrontar a legalidade dos programas de subsídios norte-americanos perante as normas de comércio multilateral, a Associação dos Produtores de Algodão (Abrapa), junto com o Ministério das Relações Exteriores (MRE), decidiu questionar os EUA no âmbito da OMC em 2002.
Foi a primeira vez que um membro da OMC ousou questionar os subsídios domésticos à agricultura norte-americana, bem como os subsídios à exportação e para garantia de créditos à exportação sob a vigência da “cláusula de paz”.
Note-se que contestar incentivos à política agrícola no âmbito da OMC exige, além da demonstração do subsídio, a caracterização do dano realizado à economia doméstica, tarefa das mais complexas. No entanto, o Brasil conseguiu exitosamente provar que a cláusula de paz havia sido violada pelos EUA.
A argumentação legal, combinada com o modelo econométrico apresentado pelo Brasil resultaram no sucesso do contencioso na primeira instância decisória (em 2004), confirmado pelo Órgão de Apelação quando os EUA apelaram (em 2005).

Os EUA, entretanto, não respeitaram a decisão da OMC e, em 2009, o Brasil logrou o direito de retaliar os norte-americanos.
Para evitar a retaliação, foi assinado em abril de 2010 um Memorando de Entendimento
(WT/DS267/45) entre ambos os governos, que definiu o pagamento de uma forma de indenização ao Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), no montante de US$ 147,3 milhões anuais.
A retaliação brasileira aos EUA foi adiada, segundo os termos do acordo, até a entrada em vigor da nova Lei Agrícola norte-americana (Farm Bill), prevista para 2012 – quando o Brasil realizaria nova avaliação da lei a fi m de verificar o cumprimento da decisão da OMC.
A MUDANÇA DE CENÁRIO A PARTIR DE 2013
Em setembro de 2013, sob a alegação de que os cortes automáticos no Orçamento dos EUA não permitiam honrar os pagamentos, o governo norte-americano cortou mais da metade do pagamento mensal de R$ 12,3 milhões devido ao Brasil. Posteriormente, a partir de outubro do mesmo ano, os EUA suspenderam o pagamento de forma
indefi nida, descumprindo o Memorando de Entendimento assinado pelos dois países em 2010 e reconhecido pela OMC. Com a interrupção dos pagamentos abriu-se novamente
ao Brasil a possibilidade de retaliar os EUA.
Paralelamente, uma nova Farm Bill foi aprovada pelo governo norte-americano em fevereiro de 2014, em substituição à de 2008. Basicamente, a nova Lei eliminou
alguns dos programas de subsídios anteriores, introduziu um programa novo – o STAX –, e continuou a fazer uso do seguro de colheita e de subsídios para
empréstimos de comercialização.
Com efeito, particularmente em relação ao algodão, a Farm Bill proposta eliminou os programas de sustentação de preço (counter-cyclical payments) e de pagamentos diretos (direct payments) e estabeleceu um novo conjunto de programas baseados em mecanismos de seguro de safra ou de receita.

A NEGOCIAÇÃO E A ASSINATURA DO ACORDO EM 2014
Desde que cessaram os pagamentos dos EUA em 2013, a Abrapa e o Itamaraty iniciaram ações conjuntas para verificar quais seriam as melhores opções de reaver os pagamentos devidos pelos norte-americanos por via de negociação, ou de retaliação.
Criou-se um grupo de trabalho no âmbito da Câmara de Comércio Exterior (Camex) – GT Retaliação –, e um intenso período de análises e reuniões se seguiram.
Em janeiro de 2014 representantes da Abrapa e do governo brasileiro foram a Washington com o objetivo de elevar o tom das negociações Em 19 de fevereiro de 2014, e com a aprovação da nova Lei Agrícola norte-americana, a Camex deu início a um painel de implementação para questionar a nova Lei Agrícola no âmbito da OMC. Ainda que a Abrapa tenha apoiado a decisão da Camex relativamente ao contencioso, a Associação sempre entendeu que o Brasil teria legitimidade para iniciar a retaliação
contra os norte-americanos se assim fosse decidido.
Ante a pressão brasileira, altos representantes do governo dos EUA vieram ao Brasil em março de 2014 demonstrando flexibilidade para negociar e indenizar o Brasil com vistas a finalizar o contencioso.
Importante destacar que, em relação à Farm Bill, era pública já em 2013 a grande dificuldade que o Congresso norte-americano teve em negociá-la, de forma que os EUA não dispunham de margem de manobra para negociar as condições dos programas, mas, ao mesmo tempo, sempre demonstraram grande interesse em chegar a um entendimento com relação ao contencioso.
Assim sendo, e após diversas rodadas de negociação realizadas de março a setembro de 2014, chefiadas pelo Itamaraty e acompanhadas pela Abrapa e seus consultores, os EUA se dispuseram a revisar os termos do Programa GSM-102, a pagar compensação financeira adicional, e a flexibilizar os termos de utilização dos recursos transferidos para o Instituto Brasileiro do Algodão.

AS LIÇÕES DA NEGOCIAÇÃO
Em 1 de outubro de 2014, o Brasil e os EUA assinaram Memorando de Entendimento entre os dois países relativo ao contencioso do algodão encerrando, de forma vitoriosa para o Brasil, a disputa iniciada em 2002 (WT/DS267/46).
A vantagem imediata do entendimento com os EUA está em assegurar aos produtores de algodão do Brasil compensações financeiras concretas, no valor de US$ 300 milhões adicionais.
Após meses de estudos e reuniões, os negociadores envolvidos e o Itamaraty estavam convencidos de que o entendimento foi a melhor solução para os produtores brasileiros. Isso porque as mudanças conquistadas no programa GSM-102 (especialmente a de que os
EUA não oferecerão garantias para crédito à exportação com prazo superior a 18 meses) não valem apenas para o algodão, mas para todo o agronegócio.
Claramente, como qualquer solução de compromisso, o entendimento não atende a todas as reclamações do Brasil, mas foi a melhor solução que se pôde alcançar após embate e negociações ímpares na história brasileira.
Observe-se que o acordo firmado entre os países não prejudica os direitos do Brasil em relação a outras
culturas do setor agrícola. Isso significa dizer que os termos do Memorando restringem-se apenas ao setor cotonicultor e preservam o direito do Brasil em questionar a Farm Bill de 2014 quanto às demais culturas que se sentirem prejudicadas.
Vale observar, por fi m, que a riqueza da experiência deste longo contencioso e as lições aprendidas com o resultado da negociação levaram não apenas ao encerramento com êxito da disputa, como serviram de espelho para futuras vitórias do Brasil na OMC

 

*Originalmente publicado em: http://www.funcex.org.br/publicacoes/rbce/material/rbce/122_WBRA.pdf

 

 

Ingerência no policy space: reflexões sobre as regras e os contenciosos da OMC

*Por Renata Amaral

A discussão envolvendo o policy space e seu aumento ou diminuição em razão de decisões adotadas em contenciosos no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC) não é recente. Com efeito, a discussão sobre policy space – ou “espaço para políticas públicas de desenvolvimento econômico” – foi introduzida oficialmente nas negociações da OMC em 2006, durante a Rodada Doha.

 

Este artigo tem como objetivo refletir sobre o impacto das regras do sistema multilateral de comércio, notadamente dos contenciosos na OMC, sobre o policy space dos membros da Organização.

 

Regras multilaterais e margem de manobra

 

Desde 1995, quando entraram em vigor, as normas da OMC limitaram, com maior ou menor intensidade, a flexibilidade dos membros quanto à escolha dos instrumentos que poderiam ser usados na implantação de objetivos de política econômica.

 

Ao passo que disciplinas no comércio multilateral eram e são desejadas, tais regras impactaram a margem de manobra à disposição dos membros da OMC para políticas internas de desenvolvimento econômico. Como é possível imaginar, com o advento da Organização, as limitações ao uso de uma série de instrumentos econômicos afetaram significativamente economias em desenvolvimento e aquelas de menor desenvolvimento relativo.

 

O termo policy space, em sentido atual, foi definido no Consenso de São Paulo (2004) como “o escopo para políticas domésticas, especialmente nas áreas de investimento comercial e desenvolvimento industrial, o que pode ser enquadrado por disciplinas e compromissos internacionais, bem como por considerações globais de mercado”[1]. Portanto, “policy space” refere-se à liberdade de escolha em termos de políticas de desenvolvimento econômico que os países podem adotar e implementar, considerando os compromissos e disciplinas internacionais que determinado país concordou em assumir.

 

As preocupações com o policy space dos membros emergiram cada vez mais fortes em negociações da OMC, sobretudo nos primeiros anos da Rodada Doha. Em 2006, relatório publicado pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD, sigla em inglês)[2] destacou a preocupação dos países quanto a restrições ao policy space no âmbito da OMC. Segundo o documento, as regras da Organização tornaram muito mais difícil para os países em desenvolvimento a combinação de estímulos econômicos orientados para o exterior com instrumentos de políticas não ortodoxas. No passado, estes últimos constituíram um recurso comum das economias desenvolvidas para promover a diversificação econômica e a inovação tecnológica.

 

Nesse sentido, é verdade que, ao legislarem sobre o comércio multilateral, as normas da OMC, quando não limitam expressamente uma conduta, deixam em aberto a possibilidade de restrição do direito dos membros de regular ou legislar sobre temas específicos.

 

No que se refere ao processo de elaboração de regras, a questão central parece ser como equilibrar a necessidade de preservar o direito dos membros de regular o seu policy space com a abolição de políticas públicas unicamente protecionistas, condenadas pela OMC porque contrárias aos objetivos de liberalização comercial da Organização.

 

Segundo o estudo da UNCTAD, as regras e os compromissos assumidos pelos membros da OMC restringem seu policy space de pelo menos três formas diferentes: i) limitam severamente os subsídios para estímulo à produção local de novos produtos ou de novos modelos de produção, com destaque para a proibição de subsídios vinculados ao desempenho exportador, conforme previsto no Artigo 3.1(a) do Acordo sobre Subsídios e Medidas Compensatórias (ASMC); ii) proíbem a imposição de requisitos de desempenho que favoreçam a transferência de tecnologia e a utilização prioritária de componentes produzidos nacionalmente; e iii) tornam difícil ou onerosa, para os produtores nacionais, a prática de engenharia reversa e imitação por meio do acesso à tecnologia que é coberta por patente ou proteção de direitos autorais[3].

 

Um exemplo do desconforto do Brasil quanto às regras multilaterais de comércio pode ser observado na insistência do país na necessidade de flexibilização das normas impostas pelo Acordo sobre Medidas de Investimento Relacionadas ao Comércio (TRIMS, sigla em inglês), de modo que seja permitido o recurso a tais medidas com vistas a impulsionar o desenvolvimento econômico do país[4]. A principal crítica do Brasil ao referido Acordo diz respeito à ausência de um mecanismo que diferencie os estágios de desenvolvimento de cada membro da OMC no processo de implementação das regras do Acordo TRIMS.

 

Outra questão sobre a limitação do espaço dos membros da OMC para a definição de suas políticas públicas econômicas está relacionada ao impacto das regras de comércio multilateral sobre a soberania dos países. Concretamente, é verdade que o esforço para a liberalização dos mercados reduziu o controle dos formuladores de políticas públicas sobre os instrumentos econômicos disponíveis. Nesse contexto, a autonomia dos membros passou a ficar circunscrita pelo reforço das disciplinas multilaterais. Ainda que uma discussão sobre esse tema seja relevante, este artigo não objetiva avaliar o impacto das normas da OMC sobre o direito interno dos membros quando estes assumem voluntariamente compromissos perante a Organização.

 

Em que pese a inquietação quanto ao recurso a uma série de instrumentos econômicos para promover o desenvolvimento individual de determinado membro da OMC, a adoção de disciplinas que pautam o direito do comércio internacional – sobretudo na forma de single undertaking[5] – constituiu um grande avanço no sistema global. Ao mesmo tempo, estabeleceu compromissos mútuos baseados em não discriminação e reciprocidade entre os membros, além de conferir previsibilidade para as trocas comerciais ao redor do mundo.

 

Mais que conferir previsibilidade, ao criar um espaço jurídico para a solução de disputas comerciais, a OMC também conferiu segurança jurídica a seus membros. O expressivo número de disputas iniciadas nos últimos 20 anos (504 até março de 2016) sugere que os países que compõem a Organização confiam plenamente no funcionamento e nas decisões emanadas por painéis e pelo Órgão de Apelação. Ora, é a importância e o impacto das interpretações emanadas pelas decisões dos órgãos judicantes da OMC que justificam a reflexão proposta neste artigo.

 

O impacto das disputas sobre o policy space

 

Antes de tudo, cabe observar que as disputas da OMC e seu resultado não têm o poder de expandir ou diminuir a flexibilidade que os membros gozam no âmbito da Organização para a definição de seu policy space[6]. Efetivamente, os órgãos judicantes da OMC podem apenas interpretar dispositivos legais, a fim de entender e dispor sobre o seu real sentido ao aplicá-los a casos concretos.

 

Para além disso, cabe ressaltar que nem os painéis, nem o Órgão de Apelação podem alterar ou extinguir regras multilaterais de comércio, nem mesmo criar novas regras. Nesse sentido, o Artigo 19.2 do Entendimento sobre Solução de Controvérsias dispõe que: “Em conformidade com o parágrafo 2 do Artigo 3, em suas conclusões e recomendações, o painel do Órgão de Apelação não pode ampliar ou reduzir direitos e obrigações estipulados nos acordos pertinentes”[7].

 

Assim, de um lado, o processo de negociação e definição de regras possui amplo impacto sobre o policy space dos membros da OMC, e o processo de definição e estabelecimento de novas normas é caracterizado por uma total liberdade e poder de criação. De outro, os resultados dos processos de disputas possuem efeitos mais tímidos, na medida em que possuem um caráter apenas interpretativo ou elucidativo do direito já estabelecido.

 

Apesar disso, a prática indica que as regras impostas pelo direito da OMC em seus diferentes acordos são passíveis de muitas interpretações – algumas mais amplas, outras mais restritas. Ainda que as decisões refletidas em relatórios de painéis e do Órgão de Apelação não tenham o poder de criar ou suprimir regras do arcabouço legal da Organização, a depender do entendimento do órgão judicante, as decisões podem abrir um amplo espaço para o uso do policy space pelos membros envolvidos (e também dos não envolvidos) em determinada disputa.

 

Ainda que o impacto jurídico e econômico de decisões de painéis e do Órgão de Apelação adotadas pelos membros tenham efeito obrigatório, a princípio, apenas para as partes envolvidas em uma disputa como parte reclamante e parte reclamada, existe um precedente de facto criado por decisões da OMC. Ou seja, ainda que não exista a figura de precedente jurídico no direito da OMC, a interpretação de um dispositivo legal pelo Órgão de Apelação torna-se espelho para além da decisão de uma disputa específica.

 

É importante sublinhar que as interpretações do Órgão de Apelação são analisadas cuidadosamente por advogados especializados em direito da OMC em todo o mundo, já que – embora não juridicamente – elas criam um precedente de facto interpretativo que deve guiar – até ser modificado (caso o seja) – futuras decisões de painéis e do próprio Órgão de Apelação.

 

Nesse sentido, qual é o impacto de análises interpretativas dos órgãos judicantes da OMC, notadamente do Órgão de Apelação, sobre o policy space dos membros?

 

A aplicação do direito à situação concreta, ou uma interpretação específica de um dispositivo legal, pode elucidar o potencial de alcance – maior ou menor – de um dispositivo dos acordos da OMC. Uma interpretação específica de um artigo ou parágrafo pode também encorajar ou desencorajar membros da OMC a abrirem disputas sobre determinada situação.

 

Como exemplo, destacam-se os casos DS472 e DS497, iniciados respectivamente pela União Europeia (UE) e pelo Japão, ambos contra o Brasil. A despeito de considerações sobre o mérito das referidas disputas, as duas foram iniciadas com o propósito claro de questionar a utilização de conteúdo local pelo Brasil em diferentes setores da indústria, entre outras alegadas violações ao Acordo Geral sobre Tarifas Aduaneiras e Comércio (GATT, sigla em inglês), ao Acordo TRIMS e ao ASMC.

 

Ora, para discutir a utilização pelo Brasil de políticas de desenvolvimento econômico nacional, tanto a UE quanto o Japão pautaram-se em diferentes interpretações prévias de painéis e do Órgão de Apelação que lhes dão, a priori, confiança para questionar o Brasil perante a OMC.

 

Com efeito, em uma das oportunidades que o Órgão de Apelação se manifestou sobre a política de conteúdo local utilizada por um dos membros (DS139) e a possível violação do Artigo 3.1(b) do ASMC[8], os juízes entenderam que o referido dispositivo proíbe de jure e de facto a utilização de subsídios relacionados a políticas de conteúdo local.

 

Tal decisão, absolutamente limitante no que se refere à possibilidade de fazer uso de políticas de conteúdo local tem, ou pode ter, um forte impacto na decisão de membros da OMC de fazerem uso de seu policy space na adoção desse tipo de instrumento de estímulo ao desenvolvimento econômico nacional.

 

Diferentemente, a depender do viés adotado, o Órgão de Apelação também pode ampliar de modo significativo o policy space de membros da OMC a partir da interpretação sobre a aplicação da lei ou de lacunas em dispositivos de acordos, por exemplo.

 

Considerações finais

 

É verdade que as regras da OMC e as decisões de contenciosos no âmbito da Organização têm o poder de afetar, em maior ou menor grau, os instrumentos disponíveis para a utilização dos membros na adoção de políticas de desenvolvimento econômico.

 

Não obstante, os ganhos sistêmicos ao se aderir à OMC ainda parecem compensar, em muito, a limitação ao policy space daqueles que aderem ao sistema – espaço este que pode ser eventualmente expandido por interpretações dos órgãos judicantes da Organização.

 

* Renata Amaral é doutora em Direto Internacional pela Universidade de Maastricht e pela UFSC e coordenadora em comércio internacional da Barral M. Jorge Consultores Associados.

 


[1] Disponível em: <http://bit.ly/1Y4AbwU>.

[2] Ver: UNCTAD. Trade and Development Report 2006. New York: UN, 2006. Disponível em: <http://bit.ly/1raEhqy>.

[3] Idem, p. 193.

[4] Em 2002, o Brasil chegou a oficializar uma proposta de flexibilização das regras do Acordo TRIMS juntamente com a Índia. O documento contou com o apoio de vários países em desenvolvimento.

[5] Uma das principais características da OMC é a obrigatoriedade imposta aos membros de aderirem a um conjunto não dissociável de acordos multilaterais de comércio. Não fazem parte do single undertaking apenas os acordos plurilaterais, constantes do Anexo IV do Acordo Constitutivo da OMC.

[6] Ver: Bohanes, Jan. WTO Dispute Settlement and Industrial Policy. E15 Initiative. Geneva: ICTSD e WEF, 2015. Disponível em: <http://bit.ly/1UD4qIP>.

[7] O Artigo 3.2 do Entendimento sobre Solução de Controvérsias estabelece que: “O sistema de solução de controvérsias da OMC é um elemento central no provimento de segurança e previsibilidade ao sistema multilateral de comércio. Os membros reconhecem que esse sistema serve para preservar os direitos e obrigações dos membros nos acordos pertinentes e para esclarecer as provisões existentes desses acordos em conformidade com regras costumeiras de interpretação do direito público internacional. As recomendações e as decisões do OSC não podem ampliar ou diminuir os direitos e obrigações estipulados nos acordos pertinentes”.

[8] Segundo o Artigo 3.1(b) do ASMC: “Com exceção do disposto no Acordo sobre Agricultura, serão proibidos os seguintes subsídios, conforme definidos no Artigo 1: (…) b) subsídios vinculados de fato ou de direito ao uso preferencial de produtos nacionais em detrimento de produtos estrangeiros, quer individualmente, quer como parte de um conjunto de condições”.

 

 

*Originalmente publicado em: http://www.ictsd.org/bridges-news/pontes/news/inger%C3%AAncia-no-policy-space-reflex%C3%B5es-sobre-as-regras-e-os-contenciosos-da